DD-09. O devocional diário

jesus-in-the-desertAo longo dos séculos a igreja tem preservado certas práticas individuais e coletivas que podemos chamar de as “disciplinas espirituais”, tais como a solitude, a oração, o jejum, o ensino bíblico e os cânticos de adoração. Nesta lição vamos dar ênfase à mais básica de todas: um momento individual de solitude para oração, leitura da Bíblia,  meditação e “escuta” espiritual. É o que chamamos de “período devocional”, com base no exemplo de Jesus e dos primeiros apóstolos, como vemos em Mc 1.35, 6.46; Lc 5.16; 6.12; Mt 6.6; At 1.24, 2.42, 10.9; Rm 1.10; 2Co 1.11; Ef 1.16).

Por que essa prática é necessária?

Se queremos nos edificar como discípulos de Cristo e crescer em intimidade com Deus, a disciplina do período devocional é indispensável. Porque ninguém será capaz de construir um relacionamento sólido com outra pessoa se não investir tempo com ela. Logo, se você deseja conhecer a Deus, é preciso investir tempo com Ele, longe das distrações do dia-a-dia. Jesus deixou bem clara a necessidade de perseverar em oração, o que os apóstolos também fizeram (Lc 18.1; Ef 6.18).

Além disso, é o relacionamento constante com Deus que vai possibilitar que os demais relacionamentos com os irmãos e o mundo sejam edificados em amor. Para nós, o amor não é uma opção:  é um mandamento. E como poderemos aprender a amar de verdade? Somente através de conhecer a Deus, porque Deus é amor (1Jo 4.8,16).

E além de tudo, a prática do devocional lhe trará enormes benefícios pessoais. Você vai aprender na prática que Deus é verdadeiro, pois vai passar a conhecê-Lo através de experiências próprias, e não apenas de ouvir falar. Vai se encher do Espírito Santo e passar a manifestar o fruto do Espírito (Gl 5.22). Vai desenvolver seus instintos espirituais para poder realmente “andar no Espírito”, recebendo  do Senhor poder e sabedoria espiritual, discernimento e orientação.

E o mais importante de tudo é que, se você perseverar no devocional, vai “pegar o jeitão de Deus”! Já observou como dois amigos íntimos acabam se tornando parecidos, até no jeito de rir e de se expressar? Assim também você, com o passar do tempo, vai inevitavelmente expressar o caráter e a santidade de Jesus Cristo! Vai passar a ver com os olhos de Deus e sentir de acordo com o Seu coração. Você consegue imaginar algo mais glorioso?

Se você não persistir na disciplina do devocional, o amor de Deus por você não vai mudar em nada, mas a sua intimidade com Ele certamente ficará prejudicada, e você estará mais vulnerável aos ataques do inimigo (Ef 6.10-18). Portanto, assuma a partir de hoje o compromisso de dedicar regularmente um tempo a sós com Deus. E siga as dicas que vamos lhe passar aqui.

Fundamentos do devocional

Deus estabeleceu para seus filhos dois canais de comunicação direta com Ele, pelo espírito: a oração e a Palavra. Ao acessarmos esses dois canais espirituais no período devocional, devemos fazê-lo com a   motivação e a atitude corretas. Nossa motivação deve ser o desejo espiritual de sermos íntimos com Deus, conhecendo-O e amando-O cada dia mais e mais (Sl 42.2, 63.1). E, ao nos aproximarmos dEle em oração ou nos colocarmos diante da Sua Palavra, nossa atitude deve ser de profunda reverência. Este temor reverente vem de saber quem é Esse em cuja presença estamos. Ele é o Criador, o Deus Todo-Poderoso, o Altíssimo, Rei dos reis e Senhor do universo, diante de quem os mais poderosos anjos se prostram declarando sua infinita Santidade (Is 6.3; Ap 4.8). Nosso Deus é Aquele cuja palavra abala montanhas e cuja presença é um fogo consumidor (Ex 24.17; Hb 12.28-29). Ainda mais se estivermos realmente conscientes de que Ele habita dentro de nós e que somos templo do Seu Espírito (Jo 14.17; 1Co 3.16).

Nossa atitude deve ser também de total confiança, pois Ele é um Pai cujo amor por nós supera nossa capacidade de compreendê-lo, e cujos ouvidos estão sempre atentos ao clamor dos seus filhos. Mesmo que sejamos infiéis e venhamos a tropeçar e cair, ele continuará sendo fiel e sua mão estará estendida para nos levantar (Is 49.15; 2Tm 2.13). Mesmo que o Senhor permita que passemos por momentos difíceis, nunca deixe confiar que Ele tem os seus olhos postos em nós, e sempre faz o que é melhor para seus filhos (Sl 9.9-10, 33.18; Is 59.1; Jo 6.37). Por isso, nunca dê ouvido às mentiras do diabo, que vai tentar colocar em nossa mente que não vale a pena pagar o preço de dedicar tempo ao devocional, que não adianta orar, estudar a Bíblia, que Deus não se importa conosco, e outras artimanhas das trevas para tentar nos levar ao desânimo e à frieza espiritual.

Algumas dicas sobre como orar

  • Ore em nome de Jesus (Jo 14.13-14, 16.24). “Em nome de Jesus” não é uma fórmula mágica para ser usada mecanicamente no final de uma oração; não é a deixa para que os que ouvem digam amém. Orar em nome de Jesus significa que oramos como representantes do Senhor, com Sua autoridade, para Sua glória, de acordo com a Sua vontade e firmados sobre Sua Palavra (1Jo 5.14).
  • Ore sempre com fé (Mt 21.21). Não ore “com o pé atrás” diante de Deus. Pelo contrário, ore com a plena convicção de que Ele está ouvindo cada palavra que você diz, e que Sua resposta é certa.
  • Não use vãs repetições (Mt 6.7). Não faça da oração uma reza ou ladainha. Não repita mecanicamente chavões evangélicos, feito papagaio. Não “enrole” na oração, para “ganhar tempo” ou fazê-la comprida. Se é para Deus que você está orando, saiba que ele não vai ficar impressionado com a forma como você ora. O que toca o coração do Pai é o que ele vê no coração dos seus filhos. Por isso, pense no que você está dizendo, pondere suas palavras. Não tenha medo de fazer pausas, para poder expressar melhor o que sente em seu espírito. Ore em voz alta: isso ajuda  a concentração na oração, impedindo que a mente se distraia.
  • Use a Palavra também para orar. Jesus disse que suas palavras trazem vida ao nosso espírito (Jo 6.63). Isso significa que as Escrituras Sagradas podem ser usadas não apenas para estudo, mas também para buscarmos nelas o alimento espiritual diário. Aprenda a selecionar um trecho pequeno da Palavra e “ore-o”, isto é, leia orando. Com a mente calma e aquietada, leia cada palavra várias vezes em voz alta, meditando, buscando  profundidade e revelação espiritual cada vez maior, até sentir que você extraiu dali o que necessitava para o seu espírito. E só então prossiga adiante. Você logo vai sentir o benefício de orar dessa maneira. Para mais detalhes, veja nosso post sobre “orar-ler-ouvir”.
  • Aprenda a escutar também. Oração é conversa, é diálogo. De vez em quando faça pausas; deixe Deus falar em seu interior. Esteja atento à doce voz do Espírito Santo, que vem como um vento suave e deixa uma impressão sutil em nosso espírito.

Não seja ignorante da Palavra de Deus

É lamentável a condição de muitas igrejas da atualidade, nas quais há multidões ignorantes da Palavra: nunca leram a Bíblia toda, não têm o hábito de lê-la e estudá-la, e o único contato regular que têm com as Escrituras são os poucos versículos sobre os quais se prega no domingo. E isso sem falar dos casos de “cartomancia” ou “horóscopo” evangélico, nos quais tentam usar a Palavra de Deus do mesmo modo que faziam os periquitos de realejo no passado, abrindo aleatoriamente a Bíblia para “forçar” Deus a dar uma resposta imediata a pessoas que não têm intimidade com Ele e que não querem pagar o preço de cultivá-la.

Muitos tentam justificar sua falta de instrução usando versículos fora do contexto, argumentando que “a letra mata”. E há aqueles que ministram  seus dons espirituais mas, sendo negligentes ou ignorantes em relação à Palavra, tornam-se presas fáceis do diabo e assim praticam algo muito perigoso para si próprios e para os irmãos, levando muitos ao engano, frustração  e queda.

Por isso, a Bíblia Sagrada deixa bem clara a absoluta necessidade de que os filhos de Deus estudem e se esforcem continuamente para conhecer as Sagradas Escrituras (Dt 6.6-7; Mt 22.29; 2Tm 2.15). A Palavra nos liberta, nos limpa, nos regenera, nos instrui, nos edifica, nos corrige, nos alimenta e nos aperfeiçoa. O autor de Hebreus adverte os irmãos por terem negligenciado o estudo da Palavra, quando pelo tempo que tinham de evangelho já deveriam ter-se tornado mestres (Hb 5.11-14). Fica portanto claro que a meta de Deus para Sua Igreja é que cada um de nós seja aperfeiçoado e edificado, para que possamos imitar a Cristo e ministrar nossos dons na igreja (Ef 4.11-14). Mas sem o estudo da Palavra o crescimento espiritual será simplesmente impossível. Portanto, é nosso dever diário nos dedicarmos ao conhecimento da Palavra de Deus.

Como conhecer a Palavra de Deus

Há cinco formas que se complementam e que devemos usar regularmente para aumentar  nosso conhecimento bíblico:

1. Ouvir (Rm 10.17; Mt 11.15). Sempre que possível, ouça pregações de homens ou mulheres de Deus, gravadas ou ao vivo, retendo o que é bom. Para isso, não deixe de participar das reuniões de sua comunidade, para ser ministrado por seus líderes e irmãos através da pregação da Palavra de Deus.

2. Ler (Dt 17.19; 1Tm 4.13; Ap 1.3). Leia a Bíblia de capa a capa, livro por livro. Siga um plano de leitura (há vários disponíveis). Se você ler três capítulos por dia e quatro aos domingos, lerá a Bíblia toda em um ano. E depois recomece tudo de novo. Você vai descobrir que quanto mais lê, mais coisas novas descobre, em maior profundidade. A Palavra de Deus é um tesouro inesgotável!

3. Estudar (At 17.11; 2Tm 2.15). Você não tem que fazer curso de teologia para poder estudar a Bíblia. Estudar é simplesmente aplicar a inteligência que Deus nos deu, para aprender mais. Mais do que simplesmente ler, estudar é explorar o texto e o contexto no qual ele foi escrito. Leia e releia várias vezes o mesmo trecho ou livro, buscando resposta para estas três perguntas fundamentais: “com qual finalidade isso foi escrito?”, “que ensino posso extrair daqui para minha vida?”, “o que devo mudar para colocar isso em prática?”. Compre uma boa Bíblia de Estudo. Leia o resumo e análise de cada livro, antes de começar a estudá-lo. Leia as notas de rodapé; consulte as referências cruzadas. Consulte mapas para ajudar a visualizar os acontecimentos relatados no livro. Procure informar-se sobre os costumes dos tempos bíblicos, pois assim poderá compreender melhor várias passagem do Antigo e Novo Testamentos. Leia também bons livros cristãos, de autores consagrados. Eles ajudarão a ampliar sua visão.

4. Memorizar (Dt 11.18; Sl 119.11, 37.31). Certamente haverá vários trechos da Palavra que lhe tocarão de maneira especial. Escreva-os à parte, em cartões. Leve-os consigo durante o dia e aproveite qualquer tempo livre ou de espera para decorar todas as palavras, até que tudo flua naturalmente, sem precisar ler. “O grande valor da memorização é que retemos 100% daquilo que decoramos. Quando você enche sua mente da Palavra de Deus, seu modo de pensar começa a mudar. Ninguém cai em pecado se sua mente estiver cheia da Palavra de Deus.” [1] (Fp 4.7).

5. Meditar (Sl 1.2; Js 1.8). Ao contrário do que ensinam algumas seitas orientais, meditar não é esvaziar a mente. A meditação bíblica é concentrar-se em algum aspecto ou trecho específico da Palavra, sugando-o de maneira prazeirosa e extraindo dele toda sua riqueza espiritual. É como fazem os animais ruminantes, que remastigam por longo tempo o alimento, antes de finalmente digeri-lo.

Dicas práticas para o seu período devocional

  • Seja determinado e disciplinado. O devocional é bênção para nossas vidas, mas também é uma batalha espiritual. A Palavra nos adverte que nossa natureza carnal lutará contra isso (Gl 5.17). Tenha em mente que o bom combate da fé terá um final glorioso (2Tm 4.7-8) mas requer que paguemos o preço de tamanha glória. Se for preciso devemos “esmurrar o nosso corpo e  reduzi-lo à escravidão”, isto é, disciplinar o corpo para que coopere com o espírito (1Co 9.24-27). Se você realmente ama a Deus; se Ele é prioridade em sua vida, você deve dedicar tempo com Ele diariamente, e dar máxima prioridade a isso. Alguma coisa menos importante terá que ser sacrificada em sua vida, para que você possa dedicar-se ao devocional. Talvez seja menos tempo com a televisão, com a Internet, com videogames e coisas do gênero. Portanto, o devocional deve ser praticado regularmente, se possível todos os dias.
  • O melhor período é bem cedinho. É muito significativo dedicarmos a Deus as primícias do nosso dia. A própria Palavra nos dá indicações disso (Jó 1.5; Sl 5.3, 57.8; 119.147; Mc 1.35). Se você “afiar o machado” antes de começar a correria diária, seu dia será muito mais produtivo e tranquilo. E se acordar cedo é problema para você, habitue-se a dormir uma hora mais cedo. Mas se por algum motivo isso não for possível, é melhor fazer o devocional em qualquer outra hora do dia do que não fazê-lo.
  • Use um local adequado. Procure fazer o seu devocional em um local tranquilo e silencioso, livre de distrações e interrupções. Jesus recomendou o nosso quarto (Mt 6.6), mas quando preciso Ele se retirava para montes e qualquer outro lugar isolado (Mc 1.35).
  • Sobre a duração do devocional. Recomendamos uma duração de 30 minutos a 1 hora. Porém, mais valem 5 minutos de qualidade que 50 minutos “arrastados”. Quanto mais intimidade você desenvolve com o Senhor, mais tempo desejará estar em contato direto com Ele. No começo da sua prática devocional, talvez você fique “sem assunto” após alguns minutos. Não desanime; pense no amor de Deus por você e no quanto Ele se alegra que você o busque. Depois de algum tempo de prática, você verá que otempo passa rápido. E o efeito do devocional ficará com você o resto do dia: você estará continuamente consciente da presença de Deus dentro de você.
  • Esteja atento e dê liberdade ao Espírito Santo. Embora seja recomendável que você siga o roteiro que sugerimos a seguir, tenha em mente que isso é apenas uma sugestão. Não faça do roteiro uma camisa de força ou um ritual religioso. Esteja atento ao Espírito Santo e à intuição que Ele transmite ao nosso espírito em algum momento especial. Habitue-se a usar um caderno para anotar essas idéias, inspirações e instruções transmitidas pelo Espírito Santo. Esse será o seu “diário do quarto de escuta”.

Um roteiro para o período devocional

1) Confissão e purificação

  • Faça um auto-exame de consciência.
  • Peça ao Espírito Santo que sonde sua vida.
  • Fique quieto, porém atento, por alguns minutos.
  • Se o Senhor lhe mostrar algo que necessita de correção, arrependa-se, confesse o pecado a Deus, peça perdão e aproprie-se da justificação pelo sangue de Jesus. A partir desse ponto, não aceite mais nenhuma acusação do inimigo. Você está limpo, jusficado do pecado.

2) Ações de graças, louvor e adoração

  • Apresente seu corpo como sacrifício vivo.
  • Expresse sua gratidão a Deus (saúde, família, bênçãos recebidas).
  • Louve ao Senhor pelo que ele lhe tem feito.
  • Adore ao Senhor pelo que ele é.
  • Se puder, cante também em línguas.

3) Entrega, petição e obediência

  • Apresente e entregue o seu dia a Deus.
  • Como uma criança, apresente-Lhe suas necessidades.
  • Peça direção e sabedoria para decisões que você precisa tomar.
  • Aguarde a resposta; anote e obedeça as instruções recebidas.
  • Se você ainda não ora em língua estranha, peça a Jesus o batismo no Espírito Santo.
  • Peça dons para poder servir e edificar a igreja.

4) Intercessão

  • Sua família imediata (sempre)
  • Parentes e pessoas mais chegadas
  • Seus líderes espirituais.
  • A igreja local.
  • Irmãos com os quais você mantém contato.
  • Quem lhe pediu oração.
  • Aqueles que lhe caluniam e perseguem.
  • Quem o Senhor lhe mostrar.
  • O Corpo de Cristo na face da terra.
  • O Brasil e suas autoridades em todos os níveis.
  • Israel e as demais  nações.
  • Se puder, ore também em línguas.

5) Leitura, meditação e confissão da Palavra

  • Siga um plano de leitura da Bíblia, e mantenha a regularidade: 3 capítulos por dia e 4 aos domingos, lendo os livros da Bíblia em sequência.
  • Não leia só por obrigação; busque o entendimento e o alimento espiritual.
  • Quando algum trecho lhe tocar de maneira especial, pare, releia-o e medite sobre o mesmo. “Ore” o trecho. É como escavar uma mina de ouro, cada vez em maior profundidade.
  • Identifique uma área de sua vida que necessita de aperfeiçoamento (por exemplo, naquilo que o mundo, a carne ou o inimigo tem lhe atacado). Busque um ou mais versículos que lhe falem sobre esse tema específico. Copie o texto numa folha de papel, para meditar e memorizar.
  • Procure memorizar trechos especiais da Bíblia. Durante o dia, declare-os com fé!

REFERÊNCIAS

[1] Aluízio Silva, “Curso de Consolidação, Vinha Editora, 2007.

[2] Ralph Mahoney (editor), “O Cajado do Pastor”, Ministério World MAP

O que você acha? Contribua com um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s